quarta-feira, 24 de abril de 2013

terça-feira, 23 de abril de 2013

Ainda São Jorge...



Ainda São Jorge...


 Em 2006 completaramos dez anos de trabalho  reciclando papelões e jornais, no uso da tecnica do papel mache , criando e produzindo objetos em que se podia alem de obter uma peça de arte, levá-las ao uso pessoal , decorativo ou cênico.
A preparação de um desfile em um  Café no centro de Novo Hamburgo , levou a que se pudesse ver em conjunto o trabalho que, no dia a dia deixa-nos imersos, e sem a poderosa visão do que acontece com nossa criação.
A organização de 40 bolsas e maletas e mais de duzentas peças entre colares e pulseiras em papelões e jornais, papeis de seda , e papeis de presente florais, ou de outros padrões de design, incorporando uma linguagem contemporanea em cores e texturas , que propunham uma especie de moda ecológicamente correta onde o que se faz é valorizar o  resíduo de maneira a reciclar e obter em novas formas e  usos , uma renovação em linguagem estética mas tambem ética.
A tentativa de discutir em que medida os padrões de moda industrial dispensam essa produção ou a censuram por crivos exogenos, nos ajudou a escrever uma obra pequena ainda inédita , aguardando publicação, em que tambem são incluidas fotos dessa produção singular.
A  adoção de retalhos de couro, recouro e não tecido, vieram a prover essa coleção de um aspecto novo em nossa produção até então... ao levar a novas experiencias de decoração da peça como de estabelecer uma configuração em que se apropria da existencia desses resíduos da industria coureiro calçadista , forte atividade economica da região do Vale do Rio do Sinos, amabiencia em que estivemos inseridos desde 1986.




Caderno de fim de semana- Jornal NH, fez uma reportagem desse evento comemorativo e muito nos emocionou  pela generosidade do espaço a nosso trabalho dedicado.

Porta de emergencia

Porta de emergencia



Materialistas, realistas, filósofos , fundamentalistas de várias correntes e que estão de plantão para cuidar dos desvios de nossas condutas são desafiados pelo movimento de eleição de São Jorge - como o santo mais popular .
Nada se sabe pelo que já ouvi de debates- sobre a vida de São Jorge. Tudo que se diz sobre ele seria mito. Criação de esferas religiosas e populares. Mas dia 23 de abril lhe foi consagrado pelo ideário que encerra num contexto tanto de afro religiosidade onde se o assemelha a Ogun- o senhor da guerra , quando não se o identifica diretamente com a imagem católica do santo... sendo uma mesma pessoa de crenças e recorrências dos desesperados da sorte, que podem variar desde artistas famosos consagrados, como do simples homem do povo que se sente intimamente vinculado a um ser superior-  que montado num cavalo, venceu o dragão escondido numa caverna  pois ameaçava alguem da nobreza em tempos idos de prováveis anos duzentos e poucos da era cristã...
Soldado , faria milagres como ninguem em suas incontáveis intervenções pelos fracos e 
oprimidos mas, não só...!
Para ser um santo, há uma série de valências a serem preenchidas e entre elas - pertencer ao conjunto cristão católico, pelo menos- em se tratando de ser  reconhecido como tal, o que significa que não o sendo  pode se encontrar entre santos  não confiáveis.
Mas o caso de São Jorge - parece ser uma especie de porta de emergência entre dois mundos de crenças - entre a católica formal e institucional e o popular conteúdo afro mais especificamente - no caso brasileiro, verificável tanto na religiosidade de parte da população que cultua e trabalha para alcançar aos necessitados de favores de um santo, identificado com sua configuração - umbandista, do candomblé e batuque em geral desenvolvido em nosso país de modo constante; quanto nas igrejas, em que o santo é mais um dentre muitos da tradição católica, onde praticamente todos os dias do ano tem seu "santo do dia". 
Não sei quantas vezes vi uma fé declarada publicamente pelas pessoas de projeção em mídia televisiva por exemplo, em que suas esperanças lhe eram confiadas.
Prato cheio para psicanalistas e outros especialistas de construção e desconstrução de discursos legitimadores de identificação cultural pelo menos, parece que só os muito- mas, muito desesperados, se dirigem para essas entidades de modo a crer nelas como na " luz que os alumia"...
Que "a fé remove montanhas",  é um dito que se atribuiria ao próprio Cristo - e que pode ser mais um voto a favor desse intermediário considerado originário da Capadócia como de outros tantos santos.

Queria poder contar hoje e sempre com a força espetacular desse enigmático São Jorge que apesar de tudo -só me faria bem - ser socorrida desse acidente estranho em que o trem descarrilhou e a única porta de saída pode ser uma intervenção de um grande , de um sensacional e imbatível santo de todas as horas...

Salve Jorge , foi temática de apresentação do Exército Brasileiro  no Gazometro no dia 14 de abril em Porto Alegre - abrindo o show de sua Banda multi instrumental- e foram aplaudidos por uma multidão que lá se encontrava...
Com o arranjo de Seu Jorge, cantor e interprete brasileiro que faz presença na abertura da novela global com o nome de saudação ao Santo...( a :- "Salve Jorge") o pessoal do exército - arrasou...!!

Para que não nos deixemos intimidar pelos contrários a nossa melhor sorte- Salve -nos Jorge!

Não permita que venhamos a sucumbir por não enxergar nenhuma porta de emergência na vida estranha e surreal que vivemos todos os dias...em que nenhuma segurança se tem de estar vivo no momento seguinte...em que não se pode esperar pela justiça pois somos portadores de desigualdade no falar , no sentir e no decretar a inviabilidade para  a vida dos outros que nos cercam e com os quais não podemos concordar por serem pretos, pobres, judeus, homossexuais ou simplesmente mulheres...

Entre outras causas impossíveis em que nos metemos  com nossa enorme ignorancia e pretenciosa força de comandar o mundo... ao abrir em cada esquina postos de plantão como se fosse só disso que a sociedade precisasse - de novas "policias pastorais de plantão" a rezarem para que o alvo da justiça - morra ou se desintegre- para que tudo fique mais fácil... e não precisem mais ... orar por nós nas igrejas, templos e cercanias...

Salve-nos Jorge, guerreiro, desse circo de loucura e obssessiva atuação no mundo em que vivemos, dessa pseudo pureza de intensões dos crentes desses últimos dias ou dos dos dias de todo dia... uma vez que não tem a menor chance de fazer brotar o amor em suas arenosas formas de se erguer... sem censura-lo e condená-lo  como se fosse assim tão simples - eliminar a revolução de um sentimento que vem por natureza incendiar o mundo escuro e medíocre dos arranjos convencionais, pagando alto preço , por se ousarem fazer ver... como existindo e necessitando de mesmas oportunidades que os demais seres da sociedade... que um dia será de convivencia pacífica entre lobos e cordeiros... um dia...! 

Salve-nos Jorge, força e poder de alcançar  melhores dias para todo o mundo...fazendo cessar as guerras sem sentido tornando em pó os sermões vazios para que não nos ouçam, gritados em aleluias e glórias como a quererem nos fazer seus súditos fanáticos...que cantam e louvam um senhor que não testemunha, aposto- uma única paz semeada pelos seus partidários...

Salve, Jorge - a vida de paz no mundo é o que precisamos... alimento e trabalho, estudo e saude. 

Alegrias,
enfim - melhores dias. 

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Na Natureza Humana

Na Natureza Humana

Na Natureza Humana.


                                           Foto de celular de flores do jardim da vizinha.
                                            Fátima, abril de 2013.Novo Hamburgo.Hamburgo Velho.

Não me diga que não temos amigos, que não fizemos amigos, que não queremos nossos amigos com enorme carinho, muito amor e que mesmo não os vendo todos os dias, não procurando sua companhia a toda hora, não pensemos neles, não falemos neles, não os guardemos no coração em saudade e aconchego de prediletos que são...!

Queria esquecer as vezes que ficamos nos cobrando as consistencias de pensamento e ações como se fossemos os:- "juízes da hora", e cada um a sua vez. 
Mas não consigo nem  me lembrar de coisas bem imediatas...! Acho que é mesmo a idade chegando e os neurônios cansados não querendo mais levar as noticias indispensáveis para fazermos nossas conexões sinceras.
Por incrível que pareça , ao passar do tempo, ao olhar pra trás, tentando ver o passado mais vivido e agitado da vida fica-se de frente com um quadro muito antigo e transformado de tal modo que nem reconhecemos mais uns aos outros direito.
As fisionomias são mais nebulosas- amiúde ouvimos:-"sou eu , fulana, não estás me reconhecendo?!" E o pior é que não , de imediato. Só aproximando um pouco mais a lupa do olhar para identificar de quem se trata... inda mais que tem-se que fazer uma série de associações para contextualizar onde paramos em nossa jornada juntos, e onde estamos nos reencontrando...
Não vamos vencer, em segundos, um mundo de coisas vividas sem ter compartilhado nos últimos tempos e nem vamos transmitir-lhe em "videoteipe" um rápido zoom sobre nós... para situá-la ligeirinho.
Acho que o que não queria era  que ficasse esquecido o grande conjunto de boas coisas que fizemos juntos; se afinal é delas que nos alimentamos muitas vezes para o resto da vida...!

Por algum motivo incrível, de fato, as flores vieram representar- simbólicamente, muitos sentimentos e  momentos de grande contentamento, partilhas inesquecíveis e que poderiam ser muito opacas se não fosse pelas flores que ofertamos ou que nos alcançaram... algum dia... e tanto assim -nossa memória pode falhar, que exigimos os cartões onde as mensagens vem grafando um registro único sobre o tempo em questão.
 Lembranças que fazem viver ou reviver e que nesses cartões que restaram - pois as flores... morreram, podem voltar a falar ao mais fundo da alma da gente.
Poderia contar uma série de histórias sobre flores que foram plantadas só para que nelas fixassemos os olhos e diante de sua beleza , mais nada pudesse importar... naquele instante.
Como um refresco a uma garganta sedenta, um gesto que faz mais que pensar na nossa profunda ligação com a ambiência de onde nos movemos... e nos obriga a reverenciar alguma natureza alem da nossa...!
A todo momento somos advertidos a prestar atenção na beleza circundante e a nos embebedarmos dessa fonte de energização maravilhosa o maior tempo possível.
Na vida de vizinhança é tamanha a premeditação das pessoas que elas fazem o favor de plantar à beira dos muros e cercas  toda espécie de beleza natural em flores , arvores e folhagens , como nos movendo o olhar magicamente...

Essas flores nessa cor- especialmente linda- que há aqui bem perto de casa numa casa vizinha, faz-me tamanho espanto - pois em quase 60  a anos  já vi variedade amarela dela e nunca antes nesse tom!
Fiz várias tomadas fotográficas delas... e pela primeira vez consigo publicá-las, pois estão perdidas dentro do telefone, esse pequeno aparelho que me possibilita socializar quase tudo que vejo ...mas que me esconde ainda todo seu funcionamento...

Assim se vê nos amigos um tom mais raro em muitos deles.

Como a nos chamar a atenção sobre algumas diferenças inexplicáveis em sua origem... mas quase palpáveis em sua convivência... com elas... quando observando o contínuo  estado de mudanças em nossas vidas, nos deparamos quase esquecidos para sempre de algumas feições de caráter corriqueiro, precisando que se vistam de outros tons para que possamos identificá-las como ainda sendo as mesmas pessoas que amamos um dia...

Talvez porisso  me apaixona a figura humana e fazer retratos de pessoas; nem todas nos vem com força e encantamento; algumas , infelizmente carregaram uma bagagem de estranhos espectros e não sai com sucesso nenhuma representação dessa pessoa num instante de arte e interação com ela... de tal modo inquietante e muitas vezes frustrante... que prefeririamos que o chão se abrisse para entrarmos num buraco bem fundo a ter que enfrentar dizer-lhes - como se só de nosso talento dependesse - :"...desculpa aí, não ficou bom... o seu ... retrato... hoje... quem sabe tentamos num outro dia...?"

Sim , o olhar de quem está em nossa frente de trabalho na arte- pode ser o mais importante de tudo; nem seus cabelos, nem seu sorriso, nada mais é tão impostante como seu olhar...Por mais que desejassemos , muitas situações são incontornáveis e pode  não acontecer mais uma chance para nós...

Acontece ou não, um saboroso avanço na direção de um desvelamento mútuo , consentido e que sériamente vai resultar num final feliz... para ambos...! 

Pura técnica, material de primeira qualidade, e todos tem que querer esse trabalho bem feito ou não acontece. 

                                                    Eduarda-desenho a carvão e pastel seco-
                                                     Gazometro-06 de abril de 2013.Porto Alegre.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

UTOPIAS E GUERRAS: BRINCADEIRAS!

UTOPIAS E GUERRAS:BRINCADEIRAS!



Acho que sim - viver da literatura, da filosofia, da arte, é das utopias mais temidas por todo mundo ou ao menos  ninguem gostaria de ser acometido por nenhuma delas .
 Tudo bem que ler algum livro de vez em quando acompanhando as histórias do tempo em que se vive ou em que os outros que nos precederam já viveram, pode ser excitante.

Pensar no que foram os tempos das duas grandes guerras, por exemplo.

Parece que não existiram. Que foram apenas momentos de imaginação exaltada de nossos antepassados imediatos.
Imagina: quem pode acreditar em fornos de incinerar pessoas,
por motivos de higienazação racial socialmente consensada?!
Quem pode acreditar em campos de concentração
de pessoas para trabalhos forçados encima de produção alguma?
Forçados a fazer coisa nenhuma!
Coisas apenas pesadas para oprimí-los o suficiente?!

Que pena que muitos livros foram queimados
e  então nem podemos ler essas histórias .
Muitas delas vieram a ser recontadas por pessoas que
conviveram com quem as escreveu ou viveu,
ou descendeu de quem teve algo a ver com isso.

Interessante observar que ao estudar Filosofia, 
o desenvolvimento da Filosofia, do pensamento filosófico, 
voce vai verificar  pensadores que estiveram intimamente ligados
com os terríveis conflitos sociais de seu tempo.

Foi assim com Heidegguer; com Nietszhe; com Hanna Arendt; Witthigenstein; Benjamin; Simone Weil; para reportar a alguns. Manet, mesmo sendo abonado escolheu servir seus patricios  na Paris de então, mesmo horrorizado com tudo que assistia e registrando algumas cenas com sua arte!A Guernica de Picasso é inesquecível para quem a vê. Pode ser que haja mais do que literatura (muito mais) na obra de Hanna Arendt inteirinha escrita contra  (......................)
Porque essas formas de ação humana nos metem tanto medo? 

O que há na Arte, na Filosofia , na Literatura , que podem nos desestabilizar tanto e comprometer tanto a ponto de não querermos nada disso pra nossas vidas?

Outro dia vi em um video de palestra de um artista coreano para um público  não sei de onde - mas veio atraves da The Learning Connexion - (TLC from NZ) em que ele falava sobre a arte contemporanea e seu significado na vida , no mundo,  em especial na história dele - jovem ainda em seus prováveis quarenta e poucos anos... De fala agil, eloquente , bem humorada, leva a todos num crescendo impasse final singelo- quando relata uma reporter entrevistando uma grande artista do teatro ingles no aeroporto aos seus 92 anos- ela pergunta-lhe- " O que a senhora ainda espera fazer na arte de muito importante ?" ao que a artista responde com a voz rouca e envelhecida e rindo da tola jovem-: "...estou fazendo..."

As escolhas de caminhar devem ser determinadas e embora nosso sonho seja de calmaria e estabilidade; sossego e conforto; vida cheia de buliçosa e feliz vida social... o que vai se configurando muitas vezes não conflui para nada disso e nem porisso é algo triste por si só.Séria e concentrada, isso sim.

O assustador é o conjunto de elementos geradores das guerras e agora - recentemente estão na ponta da agulha como perigosas e indiscretas promessas - num tabuleiro de um pátio enorme e via cibernética - prá todo mundo ver - soldados bem trajados - apontando suas armas na direção do maior  exército do mundo... para  segundo eles declarar-lhes guerra... em 2013 - nesse ano ainda.
 Não parece ser brincadeira. Parece muito sério.
Acho até que junto a eles estão outros que estão meio cansados desse grande exército - o maior do mundo.Agora-: uma pergunta: por que existem exércitos? Porque eles ficam tão grandes? Porque são assim : chegam a ser maior do mundo?
Olha que coisa incrível - as mulheres tem filhos pra serem soldados, pra virarem exércitos e acabarem quando encontrarem um outro maior que eles... pois não vai acontecer isso?
Alguem consegue filosofar , pintar, escrever um poema olhando esse cenário e não pensar nele?!
O que vai ser daqui a pouco quando os países foram chamados a se pronunciarem- ? De que lado ficarão? Quem vai ficar olhando e não entendendo nada somos nós... prá variar...  
Quando foi que isso começou? Onde isso quer acabar?Quanto tempo vem durando a tensão interna ? Porque agora estão se declarando em vontade de guerrear?Estão preferindo morrer?Suas utopias de vida esvasiaram-se e não querem mais viver...ou algo esta impedindo-os de vive-las... que dificil de entender, meu Deus!!

Só sei dizer que aqui no meu canto, muito modestamente, vivendo minha crise existencial de artista medíocre e sem expressão , terminei de olhar o vídeo do artista coreano que era traduzido- legendado em ingles no yutube, e que graças a minha conexão lentíssima me possibilitava inclusive buscar palavras no dicionário para compreender melhor... em prantos... 
Chorava copiosamente... 
Pela coragem dele em ser artista, e pela atriz inglesa de mais de noventa anos, que ele mencionara...