quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Museu comunitário -CasaSchimtt-Presser- bastidores

Obra de Pedro Weingartner - "Fios Emaranhados"- reprodução da Enciclopedia Riograndense - edições Sulina-1968.Poa-RS.






Fragmento da mesma obra.


Obra de Pedro Weingartner- Fios Emaranhados...1892.
Novo Hamburgo.

 Obra de Pedro Weingartner, pintor de cenas de cotidiano da ´epoca,  ajudou a compor a parte interna da cenografia do novo ambiente da casa - que embora fosse conhecidamente um entreposto comercial - não se fazia a menor idéia de como seria esse interior... graças a pintura de Weingartner e a a "garimpagem" de mobiliario ainda existente no interior do Estado, próximo ao que retrata Pedro nessa obra ("Fios emaranhados" de 1892")  foi possível vencer o impasse de como recompor a casa ... A obra no entanto estava desaparecida... o que se tornou acessível foi essa reprodução encontrada por nós em uma andança dessas atoa(!!?) numa livraria em Porto Alegre- dessas de sebo mesmo... em que havia pilhas da Enciclopedia Riograndense... e resolvemos levar dois exemplares dos dois volumes ...  Um jogo já deixariamos em doação para o novo museu...
Ao folhear após calmamente. chegando em casa, nos deparamos com a obra em questão...!! Até onde se sabe a obra  real permanece desaparecida...

MUSEOLOGIA- ECOS

MUSEOLOGIA - ECOS


CASA SCHMITT-PRESSER-Hamburgo Velho


 

Instituto  de Patrimonio Histórico e Artístico  Nacional recursos físicos, financeiros e
Depois de muitos anos deteriorando no abandono por constituir-se em empreitada ousada e cara  a sua recuperação, essa casa -que fora entreposto de compras em início da colonização de Novo Hamburgo,volta a existir para recompor o patrimônio da sociedade não só hamburguense mas para pesquisa da comunidade nacional que se  ocupa  da memória histórica e artística... do país.

Casa Schmitt-Presser e fundação Scheffel
foto de Fatima Abrao (2012)

Vizinha da Fundação Scheffell, sem dúvida esse fato colaborou para que seu destino viesse a ser 
o que hoje se delineia; ambas as construções tem uma história comum interessante  de cultura e costumes 
 diretamente ligadas ao espírito desses imigrantes germânicos que tinham por hábito canto coral -
 para o que- um dos salões da fundação era local de ensaio; uma casa a frente deles -tinha um professor de música; imaginar que essa vida fosse monótona pode ser equívoco dos grandes... 
Mais adiante um pouco ficava um salão de festas e  bailes que aliás foi belamente retratado por Pedro Weingartner...
 Quando essa reestruturação foi possível - todas as forças sociais , culturais, políticas , institucionais, foram convidadas e democratimente pode-se dizer- ocorreu seu renascer emocionante- para quem pode acompanhar e festejar a reinauguração...como nós!

Equipes de técnicos de museologia do Estado do Rio Grande do Sul, do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Do Museu de Petrópolis (RJ), somaram-se a arquitetos , historiadores, publicitarios, sociólogos,  membros de associações de amigos do bairro de Hamburgo Velho, em orquestração da Secretaria de Educação e Cultura do Municipio-(Maria Antonieta Schmitz Backes- secretária á época) fizeram somados esforços em que todo possível foi desenvolvido para a reabertura da casa . 
Ao fundo dela - se estende um grande parque 
de area verde - e uma das propostas seria um dia 
criar uma linguagem museológica que vinculasse as ambiencias da casa , da fundação Scheffel e do Parcão .

 Vinte anos se passaram ... por acaso hoje resido no bairro e na quadra da casa... e não sei -mas creio que não houve progresso nessa museologia ecologica...investimentos  de que tipo deveriam ser realizados...enfim!?

 Na busca de entender o que tem sido meus XX anos em arte, achei que sem dúvida - a Casa Schmitt- Presser está ali - na largada do ano de 1 992...

Dedico essa página hoje a todos com quem partilhamos aquela experiencia  e de quem infelizmente pouco me lembro dos nomes mas vou pesquisar e voltarei a isso em outro momento pois tenho  lindas fotos da inauguração que voces gostarão de ver...trabalhamos cedida durante seis meses integrando essa equipe e fizemos todo o dossie onde se registra todo o desenvolvimento desse grupo de trabalho.

domingo, 23 de setembro de 2012

XX ANOS EM ARTE - PINTURAS EM CAIXINHAS DE FÓSFOROS




XX EM ARTE - COLEÇÃO COMEMORATIVA - PINTURAS EM CAIXINHAS DE FÓSFOROS



















X X

 A N O S   EM  A R T E 







COLEÇÃO COMEMORATIVA DE CAIXINHAS DE FÓSFOROS
 COM PINTURAS DE FATIMA MOHAMED ABRÃO -
 XX ANOS EM ARTE - NOVO HAMBURGO -RS-2012.

sábado, 22 de setembro de 2012

Primavera e manacás





                                         Primavera e manacás




















                       Manacás -

 Avenida Mauricio Cardoso-Hamburgo Velho- 
   Setembro - 2012-Foto de Fátima Abrão.


Primavera em manacás

Uma duzia de minutos e já podemos considerar:
 - estamos na estação da Primavera !

Isso quer dizer  tanta coisa : 
uma especial estação de intermediação- 
em que as plantas se preparam pra sua frutificação entrando na floração nos surpreendendo
com a beleza cada uma na sua especialidade -
as flores da laranjeira,
as flores que apenas (  - como se fosse pouco!)
vão estar ali florescendo ...um tempo 
depois ...só no ano que vem...

As cores que se configuram em massas ao olhar 
tornando-se um  tipo de - "clip" instantâneo
a nossa rápida passagem: - tomada de  amarelos, azuis, lilases, brancos, degrades de violetas 
que agora vem com os manacás...

Num estranho elenco de secreta e pública
receita de saúde para quem as vê, registra suas formas,  respira suas fragrâncias, e pisa nesse caminho forrado de suas flores ao chão ...

Até parece que todos os motivos que se tem
são para preocupações -com as duras dificuldades 
do dia a dia da vida ;
e em que pesem  de fato -
as árduas ( e empacadas )
revelações da Ciencia Política- sobre nossa 
sociedade de poetas mortos
quem somos nós... para dizer :-
que a melhor das opções- seria permanecermos todos -
em eternas estações primaveris...
e olhando apenas o que nos preparassem
as terapias coloridas da natureza...!!

Com certeza  há no momento em que se recolhe o olhar
no escuro de dentro de si ,
um pouco de sossego
e de espanto suficientes- as vezes,
para um novo impulso tambem...

Mas agora , poderia desejar a todos-
apenas um bom começo de Primavera?

Pois os manacás estão aí,
os dias ensolarados tambem, 
e quase posso apostar -
que algo novo e bom vai acontecer...! 

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Vendaval...de fim de inverno...




VENDAVAL DE FIM DE INVERNO

              INGAZEIRO VEIO AO CHÃO NA RUA PIRATINI 
                              EM HAMBURGO VELHO

Ontem foi assim: o vendaval pegando - mas o clima aqui dentro estava bem e  então faxina geral, janelas abertas e tudo bem ...
Nem parecia que aquele clima era coisa de temporal... Nada anunciava...Pelo menos ,eu nem senti!
Verdade:  o tempo voou, quando se viu já era fim de tarde mas aí , ligeiro aconteceu  e a vizinha disse-"caiu uma arvore lá na frente de casa... !!"
-Arvore que caiu? Como assim? Onde, quer dizer: de onde?

 Corri pra ver... e era mesmo- enorme copada de um ingazeiro - atravessou-se na rua toda e caiu nos fios de luz e calçada ...bom: ficamos a luz de velas ...

 Fazer o quê ?! Inacreditável que nós sempre estamos, aqui no condomínio, procurando vigiar a lua e as estrelas e ontem foi especial pois o ceu não estava azul mas cinza translúcido, salpicado de estrelas, com uma lua crescente incrívelmente linda... e não teríamos visto nada disso
se a arvore não desabasse nos fios nos tirando de dentro de casa...

A ventania poderosa , tinha limpado o ceu de tal forma que era como um cristal transparente... A senssassão de estar na infancia  foi imensa...  quando havia menos poluição ,  via mais as estrelas...e  ficava no quintal só pra olha-las... não se via nada  mas a gente achava que poderia ver alguma coisa ha mais a qualquer momento...e ficava lá pensando ...

Bom, sem computador, sem a novela, sem vontade de trabalhar, o que fazer...? Ah, é- quem sabe buscar o livro do mano: o "Mohamed , o latoeiro"- e ler de novo? Já  nem lembrava mais quase nada... Tinha comprado um pocket a 10 pilas do Niezsche- o "Ecce Homo"; tinha relembrado com a psicanalista Inecê Gomes outro dia, do livro: - "Uma temporada com Lacan" do Pierre Rey,  que encontrara finalmente, no meio dos outros na estante... Mas ler a luz de velas...?! Só um pouquinho... para poder recomeçar a leitura... dar uma ingrenada no assunto;... em qual deles? Peguei o do mano mesmo... Depois o sono bateu e ficou pro dia seguinte... mas quem diz que conseguia parar de ler?

 O jeito com que ele escreve te envolve e não da´- voce tem que ler tudo - ir lendo... se parar- parece que deixou alguem falando sózinho... tem que voltar lá, pensar no que ele tá dizendo... ir conferindo, e pode até não entender algumas coisas muito estranhas da cultura embora seja sua origem tambem - são mistérios e não as entende como ele que frequentou escola, tem leituras especializadas, é um historiador do assunto...


Tudo bem , entramos no feriado de 20 de setembro que para os gauchos é mais importante inclusive do que o 7 de setembro. Comemora-se a Guerra dos Farrapos... então é feriado - em que todos os GTs  - Centros de Tradições Gauchas- de todos os lugares possíveis , vem para o parque do centro de Porto Alegre- (Parque Farroupilha- Mauricio Sirotski) - acampam e por 15 dias fazem viver os costumes de toda cultura musical, literaria, alimentar, a dança, cavalaria, rodeios , artezanato em couro, vestimentas tradicionais para bailantas e fandangos, em que trocas se realizam com um empenho que inclui que se programem com suas férias de trabalho inclusive para não perder - essa é a postura- de jeito nenhum - o seu 20 de setembro tão esperado, onde as familias inteiras se educam e divertem, investem recursos e trabalham para manter essa chama viva .

A riqueza poética desse movimento conhecido e identificado como tradicionalista se espraia dentro e fora do Brasil criado a partir de uma intenção inteligente assumida que faz existir e resistir um espírito  que pode e deve ser mais estudado uma vez que guarda em seu âmago uma estratégia singular de unir em alguns sentidos com simplicidade e eficácia um povo para a vida cotidiana mas tambem para atravessar a luta mas árdua que for... como no caso essa dos farrapos que sempre vem trazida á lembrança como uma grande mostra de bravura.

O orgulho de ser esse gaucho - dessa tradição, dessa terra que é o Rio Grande, ser destemido por estar certo de ter na "companheirada" o corpo solidario para enfrentar qualquer vendaval... Amar a terra, as mulheres as crianças, poderá ser um sinal de trazer grandezas no peito alem de poesia apenas numa viola ou numa acordiona milongueira;... então num 'chamame' como se fala - corre sangue quente de quem ama sua gente... mais que qualquer outro sentimento - esse é o mais importante que o gaucho garbosamente ostenta e sente...


 Piratini, nome dessa minha Rua, ( minha- por acaso (ou não - vá saber...!) é o nome de uma grande e importante dessas batalhas... mas ainda não pesquisei sobre ela... vou buscar ...

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Yunes Chami -Mohamed , O latoeiro em Novo Hamburgo



YUNES CHAMI-
MOHAMED, O LATOEIRO, em Novo Hamburgo.



YUNES CHAMI- 


Ontem a noite na Associação Comercial e Industrial de Novo Hamburgo...

O sr. Muchabe arquiteto que preside a Câmara Àrabe Brasileira do Comércio  de São Paulo,
ao centro , o ator YUNES CHAMI, protagonista do monólogo que será levado a todo país
dirigido por Bernardo  Galegale (à direita).

Ao fundo o Bunner da peça que terá uma mini 

estréia no final  deste mes em Campinas- SP.


 Gilberto Abrão- reunindo umas cinquenta pessoas, no salão de recepções da ACI de Novo Hamburgo,  neste último dia 17 de setembro -em um elegante e descontraido coquetel para a assinatura do contrato de cedencia dos direitos a teatralização e adaptação do texto do seu livro "-Mohamed , o latoeiro"-  com o ator Yunes Chami, tambem de origem árabe, o diretor de teatro Bernardo Galegale e o presidente da Câmara do Comércio Arabe Brasileira de São Paulo o arquiteto Muchabe.


Pessoas da imprensa local, do empresariado , das instancias diversas do comercio e da organização civil e filantrópica da cidade de Novo Hamburgo, bem como amigos que o acompanham a anos...( meu mano está há mais de 45 anos nesta cidade...) vieram compartilhar com ele tamanha realização...de um sonho acalentado carinhosamente!

A Obra saiu de um escritor- que saiu do personagem- 


Um escritor nato- alguem que olhou o mundo fora de casa muito cedo pois  foi lhe dada a confiança de ir ao oriente aprender das tradições de uma cultura paterna árabe diferente da cultura brasileira onde nasceu, sendo ainda menino de apenas 11 anos!... 


Na Syria, em aldeia de nascimento  de seu pai, no seio da familia, sem entender palavra, tudo foi desafiador...

Quem foi seu amigo?
Quem foi seu sincero apoiador entre os adultos ? 
Foi a escola, aprendeu o árabe, o ingles, o frances, obrigatórios na alfabetização fundamental na educação de todos...
Conheceu a simplicidade, a rudeza da vida  despojada de consumo supérfluo o que aliás- nem era ainda,marca galopante da sociedade ocidental nossa mesma, pois em idos de 1950 siquer o plástico tinha sido popularizado.

Crescer , voltando aos 14 para 15 anos, em uma cidade que nem podia ser a sua mais- Curitiba, já havia encolhido...!


Para alguem que se comunicava com países europeus a
traves de leitura de periódicos em ingles e frances 
(conta ele que assinava revistas culturais... de outros lugares) que vivia a decidida formação
de uma mentalidade planetária... 

Quem o faria - adaptar-se a uma escola comum, a um convivio fora da rotina da cultura árabe com a qual se acostumara e em que na verdade,  desenvolvera uma parte importante de seu modo de ver a vida , o mundo? 

Sim criou-se entre ele e o pai uma guerra - 

pois eram dentro da pequena familia - 
os únicos que falavam o idioma, 
e não foi de estranhar
que dali mais um pouco ,
fosse servir -em missão de paz- na faixa de Gaza...

Foi em missão previlegiada- como intérprete - árabe - ingles... o fez por escolha, exílio, de novo.


Mas, eis aí um traço extraordinário se assinalando - 

o diplomático!
O bom político,que une, que perfila 
nas grandes questões, 
que se une aos fracos para contornar
a aparente batalha perdida...

Uma mente arguta que dá a volta

para tornar a impulsionar um projeto- custe o que custar, mesmo que o inimigo seja incansável em se vender
ao desejo insaciável de ser alimentado pelo luxo e pela riqueza  as custas do desassossego e do silencio
(oil and blod)   dos inocentes...


Em todas as partes do mundo , 

os filhos e descendentes do Islã,
como os filhos e descendentes
do Mundo apostólico Romano, 
e assim por diante,
unem esforços, vivem miseravelmente se preciso,
para enviar aos seus de origem ,
recursos de toda monta
para que sejam libertos de opressores,
sobrevivam as guerras estranhamente-sem fim,
mesmo estando exilados em outras terras, 
são- na verdade- apenas braços, distantes ,
de um mesmo clã a trabalhar
e  canalizar riquezas das quais se despem 
para socorrer, ajudar muitas vezes, 
multidões que nem conhecem,
pois são patrícios sofrendo- 
e isso é o que importa.


Esse espírito heróico e humilde,

permeou  alterações de humor 
nos semblantes  de meu pai e de meu irmão
a vida toda desde sempre...
Silenciosos, criteriosos, marcharam 
emocionalmente na direção do oriente 
sempre que sentiram que era preciso
e nisso estavam seus compromissos mais sagrados!

Sempre se riam de nossas tolas preocupações menores,
com certeza- diante das grandes demandas dos terríveis confrontos pelos quais passavam irmãos- não de sangue
mas de fé. 
Seres humanos, em guerras desesperadoras e intermináveis...a precisarem de roupas, alimentos, 
abrigos, remédios, de  tudo...

O ter sido -numa fase de sua vida- latoeiro, fazedor de calhas, baldes, regadores de jardim, foi uma das faces que meu mano escolheu homenagear, desse personagem que poderia ser considerado "-sem juízo-" quem mandaria um filho com 11 anos para o oriente, sózinho ( acho que foi acompanhado de um tio  por parte de mãe) para aprender uma cultura que precisava ser mantida viva

na familia e ele, como o filho mais velho,
seguindo a tradição- era o responsável  a dever fazê-lo
e sem discussão- enfrentar?

No entanto, ocorreu que  esse pai fosse contribuir 

para que esse filho se preparasse -
como um homem de visão planetária, um Diplomata da Paz,  e viesse  a revelar-se um escritor- quase cinquenta  anos após  e a justificar o sonho do pai, a seu modo!

E a dedicar a sua neta- ...-"na esperança de que ela viva num mundo de Paz!"...o seu segundo romance-"... O muçulmano e a judia"...

Dando continuidade ao plano paterno e indo além- a dizer as coisas que pode- estratégicamente -elencar para contribuir com sua vivencia... ímpar- em seu tempo,
com sua talentosa percepção, 
a se encontrar
um mundo melhor possível,
a partir do sofrimento das origens,
lá no lugar mais conflituoso 
em que- por puro acaso
ou coincidencia- ou pela providencia-
foi  enviado  e treinado
a compreender...



Yunes - o MOHAMED de hoje, poderá suspeitar

que o outro- guardava uma ambição 
tão difícil de  realizar ?!!

Esse latoeiro estava sempre - discutindo política,

pensando em:-..." como o mundo poderia mudar?"...

Tinha claro na sua consciencia - que era um  artista da flauta arabe, um talento para os negócios , o mais solidário dos amigos , adorava festas e banquetes, a dança arabe estava nos pés ; alegria- a risada fácil, o espírito diplomático- um traço invejável , o terno bem cortado- no melhor alfaiate, sempre impecável, elegante , com seu chapeu Ramenzoni; bem recebido , em todos os lugares.


E no expediente,  no dia a dia  , conforme as temporadas da vida, um trabalhador de mangas arregaçadas, sem pena de se sujar nem de pó, nem de lama, 
um   operário...
um trabalhador...

Enquanto seu filho estava na faixa de gaza,

sua filha Fatima lia os jornais para ele-
pausadamente, 
repetidamente- todas as noticias-
todas as que ele escolhia, 
o coração apertado:- 
será que o filho voltaria ...vivo?

Pedia educadamente- licença para ela 

e ia rezar nas páginas do alcorão
a terceira prece do dia :
maktub- ele voltaria, são e salvo-
se era a vontade de Deus assim terminava
sua rotina conformado.


domingo, 16 de setembro de 2012

Manuscritos queridos...


O trabalho desses artistas...





 "O Atelier de Batignolles"- representa Manet pintando o retrato de Zacharie Astruc- vendo-se Zola, Renoir, Maitre, Bazile, Schoelderer, Claude Monet, por Latour, (1836-1904)- 1869.

Manuscritos queridos-

Para dar conta de uma vontade imensa de pintar 
e tendo a oportunidade de participar com algumas pessoas de um grupo de pintura especial, estivemos paralelamente pesquisando e anotando tudo que pudemos encontrar sobre História da Arte;
considerando sem dúvida, a nossa capacidade de ler e fazer escolhas de sentido nessa vastidão de conhecimentos-
em que as escolas de arte, os artistas mais influentes ,
os acontecimentos históricos economicos,
sociais e culturais mais  amplos-
em que essa história artística se inscrevia,
como por exemplo as grandes guerras políticas e religiosas... poderiam estar condicionando essas expressões e seus desenvolvimentos virem a refletí-los 
pois cada vez mais
o artista foi saindo de seu atelie ,
para encontrar no mundo,
 na realidade dos fatos da vida, 
do cotidiano, os motivos de suas obras... 
Entender porque pintar assim ou de outra forma,
o que seria arte o que não  o seria considerado 
dentro do esperado ( por quem... por qual escola... por quais parâmetros... ???) era uma busca obsessiva mas solitária pois ao redor- praticamente todos os membros vinham de academias , vinham de escolas  , e tinham portanto , esse fato clareado.
Ficou acertado que buscariamos estudar a vida e obra 
de um pintor com o qual nos identificássemos 
e se possível anotaríamos o que obtivessemos de resultados dessas buscas para repassarmos aos demais
enriquecendonos mutuamente...
Tempos em que não dominávamos nada dessa tecnologia  cibernética, e então esticávamos as pernas nas cadeiras das bibliotecas públicas mesmo... todas as acessíveis... inclusive de consulados, de cursos de línguas, como de Linguas Italiana, Francesa, Alemã, vasculhavamos os Cebos, tudo o que fosso possível...

Porque manuscrito?

Por não ter mesmo condição de fazer mecanicamente...e por ter imenso prazer em escrever a mão!
                                         
O manuscrito ... em um volume 
... cópia da autora...




         Retrato de Manet
 realizado por Degas-1864-1866.




O grupo estava se detendo nos impressionistas e quando lemos que Manet fora predecessor deles, resolvemos investigar porque e nos apaixonamos por seu trabalho... até hoje...! 
 Nos propusemos levar contribuições sobre sua vida e obra e o fizemos - construimos dois volumes manuscritos encaixados em uma caixa aberta... em folhas de kraft enceradas uma a uma... com cópias de suas obras em preto e branco , para tentar ilustrar o melhor possível sua produção ...
Concluimos que de algo em torno de seiscentos e poucos trabalhos- apenas 10%- são repetidamente publicadas - resultando que se conheça pouquissimo da obra de um astista realmente...sem considerar a distorção das cores... sofrida pelas edições... 
Esse trabalho  é acompanhado de outros textos de filosofia,  indíce onomástico, tudo muito amador, claro, no entanto oferecemos em doação para a sociedade Brasileira de Estudos Espíritas que detem todos os direitos sobre ele...  

O espírito não era outro que contribuir provocando em outros estudante e praticantes da arte a motivação pela pesquisa da história da arte uma  vez que para nós um universo encantado se descortinou e ao mesmo tempo de realidades sofridas, muitas vezes crueis, pois  o artista passando dificuldades para sobreviver de sua arte, sempre esteve inscrito no cenário da história e no caso desse artista, cabe ressaltar- Manet pode por circunstancias  - salvar de apuros seus amigos - como Renoir, o próprio Monet, Baudelaire fora para ele um amigo de tal intimidade que era considerado seu alterego- fazia por ele tudo que podia segundo relatos dos historiadores;  fora afortunadamente contemplado com uma herança da qual sobrevivia muito confortavelmente...Mas comumente se reuniam  para saraus de piano que tocava sua esposa Suzane, e literatura - em que Baudelaire, Mallarme, Emile Zolla, eram seus assíduos frequentadores...tempos difíceis que vivia a França de então - pois Manet foi inclusive servir sua pátria...quando jovem na armada tendo estado no Rio de Janeiro - no Navio escola - Havre et Guadeloupe em dezembro de 1848- ficando  ali aportado até junho de 1849- O ministério da Educação e saúde em seu Serviço de documentação da época através do sr. Antonio Bento - edita :-Manet no Brasil," referido como " estudo comemorativo da passagem do centenário da estada desse pintor no Rio de Janeiro"- 1849-1949.


Essa pitadinha de incursão nessa pesquisa é pra deixar vontade mesmo de quero mais...apesar de que nem se compara- o que se pode acionar rapidamente de recursos de muitas fontes nesse mundo da internet...para construir novas pesquisas e livros...que possam ser inéditos!


O espírito do mundo...

Dois pedaços de pedra trazem os dizeres em cima da porta da Biblioteca-


"AQUI   CIRCULA  O ESPÍRITO  DO  MUNDO  !"



Um trabalho que parece interminável...delicadíssimo,

coisa para artistas, pessoas de excelência em suas áreas...há anos está sendo recuperado todo o prédio da Biblioteca Pública, concebido numa mentalidade arquitetônica Positivista , na Rua Riachuelo no centro deporto Alegre monumento que chama atenção por fora e que por dentro eu não conheço ( por incrível que pareça) vi que tem um salão chamado morisco- cuja característica é a pura arte decorativa moura... delicadíssima e antiga... 

Creio que em 25  anos , só entrei umas duas vezes na Biblioteca Pública
do Estado do Rio Grande do Sul e mesmo assim nem passei das primeiras estantes..., coisa para minha história sem uma explicação plausivel... 

Manuscrito de anotações sobre história da arte e outros estudos, levantamentos sobre vida e obra de Edouard Manet(2a. versão ) Fátima Abrão, 327 páginas...



Mas o que quero lhes contar hoje, é um grande e novo modo

em que se estão apoiando os gerenciadores dos grandes centros de cultura,
para dar conta dos incalculáveis desafios com os quais se defrontam... 

Talvez para muitos não seja novidade alguma mas

para nós foi uma surpresa imensa , ao acessar o site da Casa de Cultura Mario Quintana, onde se encontra temporariamente instalada com parte de seu acervo ,
a Biblioteca Pública do Estado 
enquanto está em monumental obra
de restauro e reconstrução;
encontrei um link que levava a adoção de livros - 
que voce pode adotar para restaurar...
Assim como, pode adotar mobiliário, obras de arte etc...

Num acervo de 1400 obras raras

que podem ser adotadas, 
existe uma que nos chamou atenção:-

"A Filigrana àrabe nas tradições gauchas"-

de Manoelito de Ornellas, Porto Alegre, 1952.

Com a importancia de RS290,00 (duzentos e noventa reais) voce pode se candidatar a ser o benfeitor da operação que trará a público essa contribuição rara de pesquisa sobre a cultura gaucha.  

Voce patrocina o trabalho de um especialista veja só...

Se voce  tambem  é um apaixonado ou ficou curioso, interessado e quizer olhar como está o trabalho lá na Biblioteca... veja no www.bibliotecapublica.rs.gov.br

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Alfredo Gomes Filho-ou-O teatro estava dentro do homem...


O homem era o teatro...













     Série -Rabiscos de cadernos- Fatima Abrão- 
        XX anos em Arte- 2012-

Fui visitar o Barracão.
Ele quem me convidou.
Não fui cheretar , não.
Ele quem me convidou.
Naquela época, idos de anos noventa-
fins se me lembro direito, eles ( seu grupo)
faziam uma peça ou sei lá se não eram umas tres,  isso sim!

 Bom, fiquei pasma: um barracão mesmo ... enorme desses que cabem uns caminhões lá dentro... 
Ele disse- :"um dia vamos fazer um teatro aí -eu e o Lanza...
é plano...para a comunidade...aberto para a comunidade ; aqui, o bairro é muito fora do centro , não vem nada de cultura pra cá  e a gente vai ter que construir,  um dia vai ter que ter coisa aqui... a gente tem que construir!"...
 Ele? Quem era? Recem formado, jovem , muito jovem, 
uns nem trinta acho... Com uns tres filhos pequenos, com nem 10 anos o mais velho.Lutavam já com educação e arte teatral  na sua familia... para sobreviver...
Era uma fase em que criaram bonecos de silicone - 
à perfeição- e estava me mostrando todo o processo 
que se desencadeava para produzir cada cabeça 
e mãos de cada personagem, em cada fase: argila, gesso, areia, silicone, quando fica bolha , começa tudo de novo, antes de tudo o desenho....ah, sim : o desenho....! 

Como um artista mostrava  os 'bastidores' de seu atelier a uma novata , amadora é que:  não entendi... e eu tonta fiquei mesmo boquiaberta pensando nunca vou ter essa estrutura, nem paciencia, nem técnica , nem vou saber fazer tão maravilhoso trabalho como o Alfredo e sua turma...! 

Um espaço enorme todo dedicado a esse trabalho , com total cuidado, etiquetas, empacotamento, roupinhas, os bonecos saiam prontos pra serem encenados no texto das peças criados por eles...

Muitos anos trabalhando nas manhãs de domingo nas apresentações para as crianças patrocinadas
pela fundação cultural durante a feirinha no Largo da Ordem...
Quanta gente cresceu tendo visto esse trabalho precioso , minucioso, dedicado a eles ... feito com maestria pelo Alfredo Gomes Filho e sua troupe?

Mais umas voltas nos Festivais pelo país, fora do país, e agora meu Deus- vai inaugurar o tal do Teatro...!!

Cheio de coragem, gente mais incansável nunca se viu.
E outros amigos se juntaram e agora vai abrir-se
como no sonho acontecia... 

Tempos novos , virão tantos espectadores, mais que isso : artistas vão estar ali, fazendo suas estrepolias 
e garantindo que a arte em todas as dimensões -
continue sendo legítimo campo de trabalho 
para quem quiser se atrever a entrar por ele 
e dizer suas falas ao mundo com sua beleza particular, 
com sua música especial, com sua alegria 
e sua forma rica de fazer pensar nos outros ,
seres que te espreitam ao redor , na natureza -  na vida palpável e insondável, tambem!

Quanta vida se realiza num espaço criador e 
recria-se por tanto carinho e amor  colocado a sua disposição em recursos numa peça , num espetáculo, 
que embora por tempo limitado, atingirá os sonhos, 
a transformação de comportamento, a mudança de atitudes  a revisão de pensamentos , a invasão de sentimentos de gratidão profunda à vida... 
Poder ter proporcionado a liberdade de realização
a tantas pessoas que por ali passarão; 
enfim , que bom que o espetáculo sempre vai continuar...
Novas gerações virão para ali representar, trabalhar  e amar o teatro e a vida... e terá sido incrível ter visto tudo isso acontecer pela pesisitencia e bravura de um artista e amigo como voce ...



segunda-feira, 10 de setembro de 2012

O encontro.


O encontro.


  Série -Rabiscos de cadernos-Fátima Abrão-
   XX anos em arte- 2012.

O encontro-

Não sabia que ia te encontrar , ela disse. 
Como vai você? A outra respondeu-: Ah, vou  indo -
assim , assim, nem mais nem menos... sabe?
Levando, como todo mundo.

Mas estás lindona hein? 
Toda nos trinck!" Roupicha" da moda, brinquinhos, hum!

È: a gente calça o salto alto que é mais pra ver se levanta o moral...

Não acho que estás chorando de coração estufado , isso sim...

Não, respondeu, a outra; que nada... sabes como é :não tenho tido trabalho, não tem entrado dinheiro, só se gasta as parcas economias de modos que não se pode sair por aí rindo que nem hiena...

Ah, é... Retrucou a outra. Tens razão se é assim...  então melhor tomar seus cuidados... Achou que a outra estava era se esquivando de trabalhar... naquela " pinta" ,vamos  combinar podia muito bem estar pegando no pesado e mandando ver ... Mas não queria fazer força, queria fazer esse negócio de arte afinal - o que era isso... conversa pra boi dormir... quem precisa disso? Ninguem precisa disso pra nada.
Hoje em dia , tudo se copia, inda mais com a internet - ficou fácil, se copia tudo pela internet... uma beleza.
Se fosse hoje o Leonardo da Vinci ia morrer pobre, o Miquelangelo tambem, e o Picasso idem...ninguem ia comprar nada que eles fizessem ...  muito mais barato copiar...
Até tinha conhecido uma professora que viveu num país asiático que viu com os olhos que a terra há de comer - dezenas de chineses(?!) fazerem copias de artistas clássicos e outros tantos, perfeitas  a um dólar...  vendendo nas ruas para sobreviver...
E voce -disse ela que vive de contar estórias para as crianças  e outras gentes, tambem vai deixar de ser importante pois é de um CD que as pessoas precisam - e pirata a um real e pronto -tem lá a estória que querem ouvir com tudo que tem direito... è...

Reciclar-se é preciso...

Reiventar-se , ela tinha ouvido essa expressão outro dia... Um caminho muito promissor é o da política...vale a pena ela disse ; que que voce acha?
A outra olhou espantada...
-" Como assim?!"